top of page

HENRI PITOT, UM DESTINO EXCEPICIONAL

Atualizado: 6 de dez. de 2021

Henri Pitot, um destino excepcional - 1ª parte: a descoberta de um gênio.




Henri Pitot é um daqueles gênios do século XVIII, desses cientistas do Antigo Regime que honraram a França com seus conhecimentos.


Ele é uma das personalidades de que Montpellier e Languedoc podem se orgulhar. Todos nós sabemos, nós montpellierianos, que lhe devemos o aqueduto de Saint-Clément, ao qual costumamos dar o seu nome. Mas não conhecemos bem a vida dele ... e é o que vamos contar a vocês com a ajuda de várias publicações.


Henri Pitot nasceu em 31 de maio de 1695 em uma família burguesa estabelecida em Aramon, no Gard, mas cuja riqueza havia sido manchada pelas Guerras Religiosas. Sua família paterna era, na verdade, da aldeia de Marguerite, com as ricas planícies de cereais, e sua mãe Jeanne de Julian pertencia a uma família em processo de enobrecimento da próspera cidade de Beaucaire.


Este filho de uma grande família - dez irmãos e irmãs no total - ingressou como interno no Collège des Doctrinaires de Beaucaire, mas não se deixou seduzir por seus ensinamentos, que se concentraram principalmente na gramática, latim e grego.


Desesperado pelo jovem Henri, seu pai decide assinar um contrato de compromisso com o regimento de Artilharia Real. Sua carreira poderia ter sido a de um caçula da família, que para ganhar o dia-a-dia, teria se perdido no campo de batalha. Mas seu destino foi diferente, como o que um profeta de Gard havia previsto para seus pais: "Um dia ele honrará sua família".


É a partir de 1713 que sua vida conhece outro horizonte. Passeando pelas ruas de Grenoble para onde acaba de ser transferido, ele encontra um livro que chama sua atenção. É um tratado de geometria. Ele fica apaixonado pelo que lá descobre e, por isso, sabe que seu futuro não será o de um soldado profissional. Além disso, ao mesmo tempo, a paz de Rastadt foi assinada e pôs fim à guerra de sucessão espanhola e aos seus compromissos.


Ele então retorna para Aramon na casa da família, onde devora a geografia do Padre Labbe e constrói um mapa mundial no qual desenha mares e continentes. Ele então começou a ler as obras de Euclides, Denis Henrion, Deschalès, a aritmética de Le Gendre e a dos tratados de topografia e balística. Ele se aperfeiçoou ainda mais e devorou ​​obras ainda mais complexas ante das quais nunca desistiu.


A astronomia se torna uma paixão. Ele aproveita uma torre da casa do pai para instalar um observatório, de onde traça um meridiano e outros elementos astronômicos. De seu gazebo, ele se entrega a cálculos matemáticos surpreendentes que nunca deixam de questionar seu pai. Este último então pede a um abade de Uzès que teste a extensão do conhecimento dessa prole que nunca brilhou em seus estudos. O pobre abade que deve ter sido erudito - ou não - diz-lhe que o seu nível de educação é surpreendente e que deve continuar os estudos em Paris, onde realmente pertence. O burro virou erudito para espanto do pai que, diante da determinação do filho, não teve outra opção senão seguir as prescrições dos religiosos.


Em 1718, aos 23 anos, Henri partiu então para a capital munido de uma carta de recomendação da Marquesa de Aramon ao grande físico Réaumur. Foi particularmente bem recebido pelo cientista que lhe abriu sua imensa biblioteca, composta por livros que tratam de todas as áreas. Ele então desenvolveu uma paixão por hidráulica e astronomia e passou algumas noites no Observatório, onde trabalhou com jovens aprendizes que, como ele, esperavam entrar rapidamente na Royal Academy of Sciences e assim viver de suas paixões.


Para fazer isso, ele produziu um estudo notável sobre um eclipse solar programado para 22 de maio de 1724. Ele foi o único a descobrir a duração desse eclipse usando o trabalho de Le Hire e publicou os resultados no Mercure de France, em 1722; Seus excelentes resultados abriram as portas para a Academia, onde foi nomeado assistente de mecânico. Aos 32 anos, foi promovido a mecânico associado com voto unânime da Assembleia. No entanto, essa ousadia não o permitiu entrar na Academia de Ciências na seção de Astronomia. Na verdade, ele é duplicado por um de seus colegas do Languedoc, o Biterrois Jean Jacques Dortous de Mairan.


Esse fracasso não o faz desistir. Pelo contrário ... Apega-se ainda mais ao serviço de Réaumur e acompanha-o nos Nivernais, e mais particularmente nas forjas de Cosne. Em seguida, estudou porcelana e verniz, cujo sucesso se tornou cada vez mais importante na corte de Luís XV. Em 1732, esse toque genial em tudo ajudou o imenso cientista a aperfeiçoar seu termômetro - que ficaria conhecido com o nome de termômetro Réaumur - em particular trabalhando na calibração e no desenho das graduações.


Durante o período de 1724 a 1742, ele também escreveu três memórias sobre astronomia, seis sobre geografia e cinco sobre hidráulica. Em 1731, ele publicou a teoria da manobra de navios, que foi traduzida para o inglês e essa tradução rendeu-lhe em 1740 uma brilhante eleição para a Royal Society of London.


Paralelamente a este trabalho científico, descobriu a arte da engenharia e da arquitetura. Em particular, ele supervisionou o lançamento de uma ponte na Ilha Adam e acompanhou com grande interesse a construção da fachada de Saint-Sulpice.


Então começa a segunda parte de sua vida que contaremos em breve. Isto nos levará ao Languedoc onde o presidente da província deseja unir os talentos deste brilhante cientista e lhe confiará importantes projetos: a drenagem dos pântanos de Aigues-Mortes, o AQUEDUTO DE SAINT-CLÉMENT, e até a duplicação da Pont du Gard, entre muitos outros ...


Foto ilustrativa: Henri Pitot, coleções da cidade de Montpellier, museu da Antiga Montpellier.

Texto original em francês: Fabrice Bertrand - Montpellier Histoire Patrimoine

17 visualizações2 comentários

Posts Relacionados

Ver tudo

2 Comments


cdtdapaz
cdtdapaz
Dec 05, 2021

Coup de foudre que merece um jantar formal ou um almoço amigável " à la bonne franquette ". A história de PITOT me fascina pois meu trabalho de monografia de formação de LICENCIATURA PLENA em FÍSICA na faculdade Souza Marques,Cascadura,Rio de Janeiro ,RJ,Brasil foi sobre as evoluções dos TUBOS DE PITOT usados na avião para medir a velocidade de um móvel no espaço como uma aeronave.

Obrigado pelo presente deste texto.

Bom trabalho.

Amei. CD Torres

Like
Bárbara Ludmila
Bárbara Ludmila
Dec 06, 2021
Replying to

Muitíssimo obrigada!!! Interessante saber que se encaixou perfeitamente com a sua formação. Você sabia que ele era "languedoceano" e que ele foi o responsável pela construção do AQUEDUTO SAINT-CLÉMENT? Continue acompanhando nosso BLOG que vamos continuar a série de POSTS sobre a história desse grande "languedociano"! Beijíssimus e inteh!!!😘

Like
bottom of page